sábado, 13 de dezembro de 2008

Açucar.

Eu acredito.
Eu sinto.Por que descubro a cada instante que você está aqui por mim,e que não estou sozinho como imaginava.Está do meu lado,nunca dorme,e no instante em que desperto,se põe ao meu lado a me acompanhar,em todas as ocasiões.
Aqui forçando a nunca esquecer quem eu sou,quem eu fui.
Aqui comigo, me fazendo chorar,me fazendo sorrir, me fazendo calar e me fazendo falar.

"A se essas paredes falassem, se contassem quantas foram as vezes que sonhei viver n'outro lugar,um lugar onde Marte ama Marte, um lugar onde Vênus pode passear de mãos dadas com Vênus sem o se preocupar do odio alheio."

Sopra no meu ouvido algo como..."A compreenção do presente pode ser vista nos fragmentos das lembranças do passado".
Essa vontade de abraçar meus irmãos, que me atinge nas madrugadas, de forma a segura-los apertados contra o meu corpo, todos de uma só vez e por toda uma eternidade.Esse sentimento que carrego em demasia e que me faz amar a familia infinitamente.

Aqui comigo quando julgo saber demais.
Aqui comigo quando não consigo dormir.
Aqui comigo a ficar comigo.

E hoje julgo saber que jamais me abandona, e se quer saber a resposta de sua pergunta tenho tenho agora na ponta da língua, e é SIM!.
Eu acredito Acredito na revolução ,acredito na luta, e nem sempre dou o melhor exemplo mas acredito no bom exemplo,na boa intenção de homens,pois sou homem, e não único.

Acredito na bandeira vermelha de homens como eu, e confesso que vejo a possibilidade de me fazer prisão,contudo nã consigo ficar sem vislumbrar.É assim com as mulheres, com as crianças.

Eu quero.
Eu posso.

Estou exatamente onde sempre quis estar,aqui nesse exato momento em contato, aqui onde sei que não estou sozinho.

Com todo o AMOR e GENTILEZA do mundo a tu,minha amada e fiel companhia...LUTA.Amém.

"Lute pelo que é justo,pelo que é bom e pelo melhor do mundo"





Dedicado ao que esta por de trás dos olhos de OLGA.




G.Bastos.

sábado, 1 de novembro de 2008

Um texto mudo para um dia Surdo.

O vento tenta abrir a janela, mas sem dedos percebe o quanto isso é vão.
Busca então impor sua presença no lado de fora uivando, mas não me bota medo algum.
Em baixo da cama dizem ter monstros,e eu concordo embaixo da cama que durmo deve ter centenas deles,e com o passar do tempo vou me acostumando ,pelo quarto vestígio de uma sociedade moderna,amplificadores,captadores, fios e cordas de aço.
O guarda roupa parece um gigante mudo que às vezes se abre e fica te olhando escancarado expondo algumas das poucas peças do vestuário, lindo é o teto com seu ar cauteloso irmão das paredes observa cada passo aqui dentro, sem contar o chão que é um senhor individuo, sempre te olhando de baixo para cima com sua face extremamente gelada e úmida.Chega o momento então em que o Ser flutua no meio de todo esse conjunto de mudos e quase surdos, o Ser de sangue ainda quente vagueia em meio a eles e fica realmente inerte preso em seus pensamentos,fagulhas de pensamentos pedaços deles,dissecados com o passear dos instantes,logo se perdem e dão continuidade a outro ate um curto momento em que se torna uma lacuna e o ser fica espontâneo porém não demora para estar de novo em meio ao vento que tenta arrancar a janela e uiva feito lobo.
Bom arranca de mim esses pensamentos e bota logo frente.Sem raciocinar muito nesse curto momento,porque afinal já raciocino sobre isso a tempo,pode ficar ai escreve sem parar e não se pergunta muito se vai ter cabimento,sentido ou razão.
-Existe razão?
-Ainda existe razão?
...Interrogação e mais interrogação e também muito bla,bla e bla.
-Seria uma retórica?
Bom caso fosse uma retórica teria que fundo? Fundo de que?
Não sem duvida não é uma retórica é apenas escrever e “curtir o momento”, dar continuidade ao fluxo já que tanto implora para ser posto para fora, combinação de cadeias de dias minutos segundos e por ai vai.
E o que faço eu com os inúmeros sonhos ou delírios de fascinação ou de não fascinação que me pegam as escondidas e me deixam esquálido em outro lugar que não tem lá muito a ver com esse,esse do meio físico que me encontro.Ontem o que foi aquilo já se foram 20 anos e misturamos realmente muitos dias, sentimentalismo é o movimento que não morre, está sempre em alta, presente em todos os que já sucumbiram e ainda presente inclusive nesse.
“Eu preciso fazer a minha vida”.
Já se perguntou que o endividou ser humano tem a necessidade de agregar os seus valores e vitórias a outro individuo. Não suporta o peso do fardo de uma conquista sem assumir que foi capaz de fazê-lo só e por mérito próprio.Ou seja, ele quer se sentir sempre em uma condição inferior e ao mesmo tempo quer estar no centro do mundo ou em algum ponto de tudo isso.Mesmo que o tal do individou a quem ele agrega os valores venha a ser uma idealização mesmo que tudo não passe de invento,coisa da mente.
Me desperta interesse, é um vestígio de paradoxo assim como Freud já vinha dizendo.
Inserido dentro do ser, eu vejo dessa forma pensei isso ontem me olhando no espelho e pensando no que pode ser realmente Deus.
O próximo instante vazio e a sacada do nada,perceber o instante vazio e a sacada do absurdo,não ter fundo é a sacado do infinito,fechar os olhos é a sacado do fim do mundo...


Dedicado a Sartre.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Do Sofá,Parte II

O que pode inspirar uma borboleta na linha do teto com a parede lateral?Talvez um escapulir de lembrança, mas lembrança de que, afinal nunca vivi nada que se aproxime de borboleta na linha do teto, ou será que vivi?

E essa porta em contraste com o muro com musgo lá fora, o que me inspira?Inspira-me uma boa olhada, olhada que sinto que bate lá no calcanhar e que volta para mais uma vez torna-se “olhada”.
Isso me inspira e boto pra fora antes mesmo de se tornar algum vestígio de expressão do tipo “eu, eu mesmo, somente eu”.A casa em silêncio e que em tempos anteriores quando eu ainda criança esfriava a barriga de medo, medo dos seus grandes olhos, hoje se foi o medo, ficaram os olhos, e que eu particularmente gosto mais pela manhã.

E se nos ouvidos fosse posto algodão, nos olhos os “tapa”, na boca fita e prendesse toda a respiração?


...Ainda não seria o bastante pela centena de milhares que são a colônia, deixada a viver na ilha.


Gilliard Bastos.

domingo, 17 de agosto de 2008

É De Cinza.

São Paulo que venho descobrindo, longe dos grandes centros é nada menos que; uma clareira e que em teimosia salpica gotículas em minha janela nesse meio de ano onde fica assim tão Augusto dos Anjos, com a cara feita viúva de cem anos de solidão.
Confesso que tenho um desvio e penso gostar de ti e não sei se é de dentro pra fora ou o contrario a isso.


São Paulo que escorre com os dias, e que tanto sei o quanto me observa.
Porque pareço sombra nesses dias em que o material faz as cabeças ricas fracas que se põe a pé.

São Paulo Amante cúmplice, e que observa da janela.
São Paulo complacente que salpica gotas em minha janela, feito tempero de salada de mamãe.

Eu aqui assistindo minha juventude por ai, feito nuvem, e tu com seu jeito tão Cidade grande, tão São Paulo e feito São Paulo.

São Paulo que inspira as letras e as faculdades de ensino boca de quarto,que inspira o jantar de madrugada e que carrego embaixo dos pés...ou será acima da cabeça?



G.Bastos.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

De bigode, Feito Cuba.

Diante de pelotão de fuzilamento Aureliano não martelou bem quando se apaixonou por Remédios e que logo a frente mostrou-se Paradoxo humano, e enquanto isso Rebeca come terra e estraçalha os dentes em casco de caracóis.
Diante do pelotão de fuzilamento Lou Von Salomé que fez com que o velho morto demorasse ainda mais antes de sucumbir maltratou-lhe a mente, mas assim seria de qualquer forma.
Diante do pelotão de fuzilamento Gregor Samsa em sua espalhafatosa vida de devaneios invejastes Dela Mancha.
-Estou eu confuso?
O tal da imaginação, o louco dos vilarejos, Maluco das cidades, a Patologia das ciências Falidas.

Diante do pelotão de fuzilamento, Gabriel ocioso em seu sofazinho, perdendo o que ainda lhe resta aos instantes, perdeu a vida na casa de maquinas antes mesmo de estar casado com Ana Maria.
Diante do pelotão de fuzilamento Ana Maria tomada pela febre pedala incansavelmente seu instrumento, a febre que faz promessas enquanto agarra o individuo ainda na cama, a febre da luta por conforto e liberdade aos trancos.

Diante de pelotão de fuzilamento Sophia engoliu a maquina de costura acreditou que só assim poderia ser liberta, só que antes foi doutrinada a filosofia da “Historia não tem fim”, agora repousa com tinta, papel e algodão nos ouvidos para evitar escorrer realismo.

Diante do pelotão de fuzilamento Caulfield ainda percorre ruas sem gosto nenhum, o faz por nem mesmo saber, mas ainda vê amor em sua irmãzinha, de resto tudo se tornou aguado.

É Domingo que quer ser sábado e vice versa.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Ligado para um Desligado para zero

"Peguei o zero e logo à frente o um”.Ligado pra um e desligado pra zero" agora faço da Internet um estilo de vida incondicional,esse é o meu tempo,essa é a revolução da minha época,como se não bastasse ainda tenho que agüentar a tal da liberdade"



Gilliard Bastos.

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Esse mundo não merece nossa tristesa

"E se eu disser que eu nunca sei mesmo a direção? E se eu disser que toda vez que eu achei que ia acertar eu na verdade só arrisquei? Você ainda ia querer? Diz. Eu seria ainda o que sou para você? E se eu disser que eu nunca soube nada de minha vida, que eu sempre deixei tudo passar por mim e as vezes ia, as vezes nao ia, dependendo do gosto do café. Você ia querer? Será que ia mesmo? Minha vida é correr contra os carrinhos na montanha russa esperando vencer o impossível e não ser levado outra vez para trás. Você entende? Ainda assim quer? Pensa... Eu não sei nada. Só sei ser assim. Eu sequer me entendo. Nunca consegui brincar de ter certeza. Nunca consegui 100% de não dúvida. Ainda? Ninguém esqueceu a sombra em meu quarto. Ainda assim eu fugi. Ninguém passou com pressa por mim. Ainda assim segui... e caí no buraco da árvore. Eu sempre fui... Sempre passei... Sempre acreditei em minhas próprias estórias. E nunca dormi. Sempre vi tudo chacoalhar meus cabelos e deixei me levar. É isso? Nunca morei em uma só casa. Nunca fiquei em um só plano. E é sempre o gosto do café. Nada concreto. Nenhuma teoria. Nenhum cálculo. Só correr contra a brisa pra sentir o gosto da chuva na boca. Nunca cresci. Agora perdi o trem. E ele não para mais pra mim. E se eu dissesse que eu também não quero que ele pare. Você ia querer? Será que ia mesmo? Eu mesmo nunca sei..."




Original de meu livro, "Os Funerais do Coelho Branco".

sábado, 21 de junho de 2008

Por de trás dos dentes.

"Abençoe ou cuspam na fome, pois ela impossibilita o Homem de atingir o ápice do orgulho."

G.Bastos

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Passagem do Livro "Joelhos de aço" de G.Bastos

"Deixar que o proxímo instante se torne vazio é a sacada do erro.Enxergar o Instante Vazio é a sacada do nada.Não encontrar o Fundo é a sacada do infinito.Fechar os olhos é a sacada do Fim do Mundo.



Inspirado na conversa que tive com meu Amigo Márcio Marcelli.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Faculdade de Tecnologia de São Paulo.

A sala esta inundada com fumaça.A fumaça vai inundando cada centímetro,tomando conta de tudo.
A Fumaça faz a sala inclinar de um canto a outro,tornando tudo muito instável.A sala não transborda com a contenção e o acumulo grande de fumaça.Sempre surge uma nova veia,um canal que despeja mais fumaça na "pobre" sala.
Ao lado de fora da sala,é possivel enxergar duas janelas com vidros castanhos,porém deste ponto não se pode ver a tamanha concentração de fumaça no interior da sala.
A sala fica paradinha e a fumaça se deita ainda mais...Quem poderia conter o fluxo?


"Mais perto da essência o sentido respira mais nem sempre o ar mais puro se tem"



G.Bastos

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Labirinto

É quando o silêncio não deixa respirar,que acredito eu,estamos proximos de nos mesmo.
Pois nessa hora esquecemos do nosso corpo e nos vemos em espirito.
Pois o que passa são sentidos em imagens bem a nossa frente,podendo assim dizer "Metafísica".
Porque partimos dessa simulada dimensão de sonhos,do "Não se pode tocar" .
a realidade dos objetos,não existe materia tocada.
O que existe são apenas imagens em sensações,apartir disto prova-se o que, no meu ponto de vista está além dos fatos.

Aério,Aério é o que eu sou,olhar fora fora do padrão,é fogo sem enquadração nem bom nem ruim.
Sem definição!
encontrar-se dentro de si,uma boa chance para corrigir algo,pois esta em contato com o espaço interno.
O que dificilmente me ocorre é a correção...


"Mas poderia eu Aproveitar o ato?"


Gilliard Bastos.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Cassino

Eu aposto no amor com muitas fichas.

Quando pareçe que perdi a casa vem a Baixo.

Mas quando eu ganhar...Vou mandar fechar o cassino,porque eu virei o dono.




Gilliard Bastos ao dissertar com meu amigo Bill

Dedicado a Vida.

Sabe,acho que esta deve ser a segunda,não a segunda vez que ocorre,mas sim a segunda que eu amo,penso amar,Paixão,Amor ou como vc quiser julgar.
Bom Aprendi algo,quando eu choro de verdade,meus olhos se tornam ainda mais escuros,sabe fica meio turvo ou coisa do tipo.

Quero dizer o seguinte,não estou vendo coisa mais rebelde do que o Amor,a parada é contra tudo e todos que vai contra as ordens do Amor.Não quer saber de quem esta ele atingindo,ele vem e não escolhe,o cara arrebenta e já era.

tenho de de afirmar que a cada dia evoluo um pouco com essa questão,mas sempre tenho de morrer para evoluir,e quando digo morrer me refiro ao ontem,é como se renovar sabe?É algo dificil mesmo,sutil mas altamente denso,não sei se me entende.

Uma coisa que hoje acho fato na minha vida é as questões garoto e garota.São definitivamente de mundos diferentes,os pensamentos são realmente divergentes quando posto da ponta da língua em diante,talveis eu me sinta meio incompleto quando falo a respeiro de garotas...mas ao mesmo tempo sou de um tanto cheio,carregado,completo ou sei lá que adjetivo usar.Porque aprendo demais com as poucas que conheci ate hoje.

E pra mim o sexo forte aqui é o delas,porque são muito mais coerentes e muito mais verdadeiras,perdem na disputa física, mas acredito que a maioria dos caras nem sabem o porque de estarem no mundo,enquanto elas posso botar a mão no fogo,que mais da metade vive em busca de um ideal.mas não estou aqui para falar de garotos e garotas.


vim mesmo falar de mais uma experiencia que tive,de fato choro deveras rios de lagrimas,quando sinto a garota que curti indo embora,quando digo indo embora,não quer dizer que ela esta indo,assim com suas pernas e tal.Eu tenho comigo aquilo,"se não posso ter melhor não vislumbrar do meu lado"é isso ela foi um tanto sincera em em dizer que me via apenas como amigo...de fato somos,mas para mim era diferente.


Bom como diz uma ucrâniana ai,"Escrever é um mal nescessario" pois bem aqui me ponho a escrever,não para chamar a tua atenção ou descarregar em vc leitor,descargas de sentimentalismos,em busca de audiência,mas para aliviar a mim mesmo sabe...precisamos disso,vejo assim de vez em quando temos de fixar algo(objetos ) e por menos humano que seje,falar com ele desabafar,que é o meu caso...tenho apenas um quarto,uma maquina, estou rodiado de livors e pensamentos de uma madrugada chuvosa.


Vou ficando por aqui,mas tenho de ter "muita coragem no amor" como disse o Amarante(Los hermanos)e continuar,chorar não tenho a vergonha de dizer que choro e como disse deveras,choro muito mesmo desde criançinha chorão,não ia dar para mudar agora.


A verdade gostaria de dedicar essse texto aqui para a vida,porque não existe nada mais Fantastico que ela,ela é inintelivel,acho que talveis um grau a mais do que a mulher,quero dizer nem todas a mulheres,mas é isso não quero ser o moralista,descarto qualquer comparação com qualquer outro homem que não seje eu mesmo,e mais uma coisa já que falei em quão fantastico é a vida,quando eu bater de frente com deus,tenho de dizer que a vida aqui na terra é barra pesada...mas quero pedir Replay para ele,igual funciona no Playcenter.



Gilliard BAstos.

Hangar 110

Esse dias me peguei num ambiente do qual eu amo.

Me peguei de olhos fechado,dançando,e de fato esquecido por todos.

E me lembrei de algo,que esta no meu coração.

Enquanto dançava,pairava e raciocinava comigo mesmo.

Uma frase fez sentido.


"Se não posso dançar a música,não é a minha Revolução."


"Agora tudo se encaixou"


Gilliard bastos.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Caminhão Pipa.

Hoje eu sai para caçar ilusões.
Armado com meu corpo eu vago pelo espaço.

...
...
1,2,3,4 e 5 "Desiluzão".Acorda!!!

Poderia ser algo construtivo?
Então análiso meu comportamento, 4:10 da madrugada,e tudo que tenho é; a minha visão cortando o lado de fora da janela.


Análiso cada ponto de imagem,mas não posso visualizar todos.

Não me peça para não escrever,eu tenho a tinta e o papel.
Munido da minha indisposição e do transit que se forma pela cadeia de dias.


-pronto!

acaba-me a inspiração,mas ainda tenho palavras para escrever.

Hoje não existe paixão aqui,mas ainda tenho um pouco de amor,direcionado aos meus familiares.
Também tenho minha visão cortando lá fora, a imagem por traz da janela.

"Larguei todos os vicios que me deixavam só. Menos a busca por solidão"(R.Ponce)

"Por certo a pior solidão
é aquela que a gente sente
sem ninguém no coração...
no meio de muita gente " (autor desconhecido)


E caso voçê venha a sentir-se ultrapassado,
respire e olhe para a frente.Jamais deixer de acreditar.


"Porque acreditar é a Crença,é a FÉ,e o Amor para si...É DEUS."(G.BAstos)





Gilliard BAsto.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Dormir TArde Acordar Tarde.

O silêncio é realmente o mais paciênte do todos os caras que já conheci.
já tentei por vezes rasgar a vida,mas desisto sempre no ponto maior


me encontro sempre em meio ao meu oceano...risadas...ironia...interrogação

talveis pareça um tanto vazio,e que não ocordo por "simples luxo"
ou por achar que acordar é de um tanto frio.
e que possa ser o meu segredo não abrir a portar para uma nova ocasião.

me pegar novamente na mesma situação...do ontem...do hoje... do agora.


"Diz que faz quando eu te pedir",só para ver que é de verdade.
e que o amor bate de frente ao pecado.
e que faz quando eu te pedir..."só para sentir um sorriso".




Gillard Bastos,Olha que essa virou hardcore.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Do sofá..

A cama, a Janela e o teto.
O que seria de mim sem cama,janela e teto.

O Amor, a paixão e a doença.
O que seria de mim sem, Amor, paixão e Doença.





Gilliard BAstos.

Vendido em seus olhos,Comprado por sua Boca.

Esquece o que eu disse ontem, e rasga o hoje.
-Rasgar essa vida?
Eu sei que pensamos ter o mesmo sentimento,mas foi só coincidência.


Eu tenho vertigem,eu desenvolvi algo orgânico,vindo de seu cotidiano ficticio.
-Por desejar rasgar essa vida?eu te pergunto!
Por imaginar uma vida melhor em outra dimensão.

Já disse que não me encaixo e sofro com isso,a dor em minha cabeça não é atoa.

-Quem me trouxe isto não me acolhe!!!
-Quem me trouxe isto não esta aqui!!!
-Quem me trouxe isto,não carrega o peso da culpa... de fato de quem é a culpa???


A busca por pureza...
A busca por ingênuidade....
A busca por plenitude...
Tudo isto não me livrou dos comprimidos,não me livrou da doença, e do adjetivo de Neurótico.


Droga!!!para de chover ou explodo.


Desistir de olhar nos olhos, e mesmo assim,voçê cria sonhos a respeito da minha pessoa.

Não quero a sua fé.
Não quero a sua Crença.
Não quero a sua liberdade.
Não quero a sua paz.


Rasga essa Vida...
Rasga essa vida...
Rasga essa...
Rasga...

A vida.




Gilliard BAstos.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Casa de Brasilite

Sabe a voz mais doce,aquela que desperta lembranças,e vc não sabe a direção da noite
e a chuva te traz quadros de criança.
Mas no ponto onde estamos,"só se faz reflexão".
e nos perguntamos : onde realmente estamos,frente a reflexão?

Porque a rua não te leva,a casa não te leva,a porta não te leva.


A voz mais doce, aquela que desperta lembranças ainda mais doces.
"Subir ou descer?" "Adulto ou criança?".
Ainda há sorrisos como aqueles de cima?
E o seu mundo limitado a rotina "Inclina" mas voçê gostaria de ir...

É gostaria mesmo.


Encolha-se,"Simples como ser simples".

É taí teoria.

Mas a chuva não te leva,ela parece amenizar.Ou realmente escorrer com voçê no chão?

Não ela quer Amenizar!



Assina garoto heheheh: Gilliard BAstos.

Aptidão Filosofica

Aqui dentro parece ser mais frio que lá fora.
Talvez ao fato de estar mergulhado, e que nunca me pergunto se é hora de ir embora.
porque aqui dentro é mais frio que lá fora?


Já deve ser hora de esquecer,e começar a se aquecer,ou perceber que vencer ou perder,não existe.
É como dizer palavras vazias e sem forma.
Porque aqui dentro é mais frio que lá fora?


Quarto?pequenas coisas que gosto em voçê.
Cama?Café com gosto de familia.Porque lembrar ao invés de esquecer?
E sempre andei a cultivar lembranças,já que teu olhar junto ao meu me leva a dias de falsas promessas.


Entregar-se a extrema emoção,traz á tragédia aquela entre a vida e o inferno,proveniente do espirito da comédia.
Embora aqui dentro parecessa mais frio que lá fora.


E o que fazer com o tempo na ação?
-o tempo tente esquece-lo,esse cara é ateu,descrente de tudo.
-apenas a natureza o oporá.
Aqui dentro congelo,mas vejo lá fora.



Gilliard BAstos.

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

A proxima depois de Apertar o Cinto (porque perderam a pressão na Aeronave.)

Eu cresci um astro boy!!!

Será que ao fato de colocar todos os meus sonhos em uma fita?
ou por ter buscado viver em um planeta distante?
Tenha a certeza de que o que tenho não pertence a este lugar.
Se voçê vir e dançar o sentimento bom podera se tornar mutou,e nem pense em baixar o volume.
Olha só para ela "paradinha" no centro do nosso club discoteque.Te disse que iria te levar para tocar estrelas,mas toque as com cuidado,afinal de contas ,"tocar não é levar embora."

Veja como escrevemos nas paredes,o nome das pessoas que queremos bem,destaca não destaca?!

Eu nem coloquei o velho tenis no sol.Mas veja estou usando o gorro que voçê mais gosta em mim, sem contar as meias coloridas.opa!!! voçê nunca me olhou assim antes.

Já sei aprendeu como se deve ver a vida?cara não deve dar ouvidos a esses sonhadores de calçada,escuta a ultima que ouvi deles...


"Quando seus olhos pairam no horizonte e voçê não escuta ninguém,tenha a certeza que a frequencia está perfeita."

pudera!!!De novo afff!!!!


Eu cresci um astro boy,voçê pode vir aqui e ler todas as folhas desse diário,Porque não faz diferença,só existe relatos do que voçê já sabe mesmo.

Tropeço em folhas secas,toda vez que me olha assim,sinto o cheiro de inverno.Eu cresci um astro boy,é só olhar para os lados para notar,já tenho bastante idade para ficar tomando chocolate quente e usar essas drogas de meias coloridas,veja o meu cabelo quem tem um visual desses?!


Eu cresci um astro boy todos os meus tesouros estão nesse skate,estão nessa mala,nesse tennis,nessa camiseta...afinal meus tesouros estão em todos os lados.

"Mas por favor deixe o volume alto"







Gilliard BAstos ponte com "A Historia não tem fim"

Me escapou um "Oscar" ou melhor "Wilde".

Podemos perdoar a um homem por haver feito uma coisa útil cantanto que não a admire.A unica desculpa de haver feito uma coisa inutil é admirá-la intensamente.


"Toda arte é completamente Inútil."

Caipiras na Mitologia

Fico a te esperar,nessa forma tão absurda,a ponto de te amar.
Porém é na linha do amanhã que escondo a insegurança.
...Mas ainda estamos juntos?
....mais ainda distante, do que juntos.


Gilliard bastos.